AbbVie (ABBV)

História da empresa

A AbbVie vem sendo negociada como uma empresa única na NYSE desde janeiro de 2013. Antes disso, ela foi parte da Abbott Laboratories, um laboratório e fabricante farmacêutico oriundo de Illinois, nos EUA. A Abbot decidiu dividir suas operações entre a própria Abbot, responsável pela produção de aparelhos e equipamentos, e a AbbVie, responsável pela pesquisa e produção farmacêutica e laboratorial.

A parte farmacêutica, que se tornou a AbbVie, obteve grande sucesso com seu produto Humira, cuja licença está prestes a expirar. A AbbVie imediatamente começou a adquirir outras patentes e produtores farmacêuticos, incluindo a ImmuVen e a duvelisib, em parceria com a Infinity Pharmaceuticals.

A produção e a pesquisa da AbbVie se concentram em imunossupressores e medicamentos que aliviam os efeitos colaterais de outros tratamentos. Seguindo esta linha, a empresa possui um produto licenciado feito à base de cannabis, chamado Marinol. Esse produto ajuda os pacientes a lidarem com o tratamento quimioterápico, aliviando suas náuseas.

Como operar com a AbbVie: O que você precisa saber

  • As ações da AbbVie abriram cotadas em $33,00 USD na NYSE no dia 14 de dezembro de 2012, antes do lançamento da empresa no mês seguinte. Elas tiveram um desempenho firme até a segunda metade de 2017, quando o interesse dos investidores tornou-se acentuadamente elevado.
  • Foi nesse momento que a AbbVie lançou a Humira. O produto enfrentou batalhas jurídicas contra produtos semelhantes, além de incertezas sobre se sua utilização era completamente segura.
  • Apesar dos receios, as ações da AbbVie atingiram o pico de $123,21 USD no dia 26 de janeiro de 2018.
  • No dia 28 de dezembro do 2018, as ações estavam cotadas em $91,12 USD.
  • O Marinol é apenas um dos produtos farmacêuticos da AbbVie. A empresa ocupa boa posição para surfar na onda da cannabis e, apesar disso, não deverá sofrer caso o progresso na legislação sobre o assunto seja mais lento que o esperado. Alguns investidores veem a AbbVie como um investimento sólido, pois a empresa, diferente de outras operações farmacêuticas, não está superexposta a apenas um produto.
  • Na NASDAQ, as ações da AbbVie sofreram uma pequena queda no final de 2018. Contudo, isso não afetou a confiança dos investidores. A expectativa ao longo dos anos é que as ações tenham um desempenho sólido. O início de 2019 deverá ver as ações da AbbVie na sua cotação mais baixa dos próximos anos.
  • Os receios sobre o Humira já foram quase inteiramente dissipados, e a AbbVie já produziu o Imbruvica e o Mavyret. Esses produtos não têm a cannabis em sua composição e têm o objetivo de ajudar os pacientes de câncer e HIV. Esses produtos sozinhos renderam $4 bilhões de dólares à AbbVie em 2018.
  • Os futuros produtos da AbbVie incluem o Venclexta, o Orilissa, o risankizumab e o upadacitinib. Eles já foram aprovados pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA e deverão resultar em rendimentos excelentes para a empresa.
  • Espera-se que o rendimento de dividendos da Abbvie para o ano de 2019 seja de 4%.

Todos os interessados em investir nas ações da AbbVie devem analisar o setor farmacêutico, sobretudo no que diz respeito às projeções sobre a cannabis.

Opere com a ABBV